segunda-feira, 20 de julho de 2009

Há quarenta anos

Pegada de astronauta no solo lunar
Quem nunca quis ser astronauta?

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Álbuns da minha vida: Titãs - Acústico MTV

Capa do Acústico MTV

O ano era 1997 e eu estava na oitava série. Era, mais uma vez, um aluno novo em uma outra escola em uma outra cidade. Não sabia nada de música e só ouvia as bobagens que tocavam no rádio, mas sem escutar de verdade. De fato, não ligava para música.

Mas numa daquelas frias manhãs da Macaé da década passada - quando era arrancado da cama para encarar o quadro negro em uma carteira perfilada - isso mudaria. Tudo por causa da prova de um excêntrico professor de História, que trazia em um dos enunciados a letra da música "Comida", dos Titãs.

As questões eram para relacionar a composição com a matéria e me chamou a atenção o fato da banda ser classificada com algum daqueles adjetivos exagerados que comprovam que o sujeito é, de fato, grande fã.

E lá fui eu perguntar o que de tão excepcional essa banda tinha para apresentar. Muito atencioso, o professor trouxe o CD "Acústico MTV" na aula seguinte e colocou para tocar. Comentou dos shows que assistiu, da relação daquelas músicas com os acontecimentos nacionais das décadas passadas e fez algo muito mais importante: mudou a minha vida. Sem exageros.

Era um som que, finalmente, poderia prestar atenção e chamar de música. Tinha um instrumental marcante - diferentemente das muitas bobagens que ouvia até então - associado a letras que não apelavam para a repetição vazia e que me tomariam algumas boas horas de divertidas análises dos significados.



Esse álbum foi a minha iniciação no mundo do rock. A partir dele teve início uma jornada pessoal de busca por música de boa qualidade que dura até hoje - e que não deve parar, espero. Seu impacto foi tamanho que dali a algum tempo comprei um walkman e gravei algumas músicas (não cabiam todas) em uma fita K7. A primeira de muitas que disputavam com livros e cadernos espaço na minha mochila e, com as monótonas aulas, minha atenção.

Quando olho para trás no tempo, percebo que hoje meu gosto musical não estaria bem resolvido se não fosse aquele dia, com aquela prova. Por isso, nesse Dia do Rock, não posso deixar de agradecer ao professor Marcelo Abreu Gomes por essa aula que entrou pra minha História e aos Titãs, claro - apesar dos tropeços.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Camisa vermelha: Karl Malden



Agora foi a vez do Karl Malden, ator estadunidense, vestir a camisa vermelha.

Acho que ele não era muito conhecido, mas é uma figurinha carimbada em produções memoráveis.

Alguns de seus filmes são "O beijo da morte" (1947), "O matador" (1950), "A tortura do silêncio" (1953), "Dá-me tua mão" (1953), "Sindicato de ladrões" (1954), "A árvore dos enforcados" (1959), "Pollyana" (1960), "A face oculta" (1961), "A conquista do Oeste" (1962), "O homem de Alcatraz" (1962), "Alguém morreu no meu lugar" (1964), "A mesa do diabo" (1965), "Nevada Smith" (1966) e "Patton - Rebelde ou herói?" (1970).

Vários desses estão na minha videoteca, por isso não podia deixar de registrar a perda.




Ah! E sabe aquela famosa chamada publicitária "não saia de casa sem eles"? Foi o Karl Malden que popularizou, em uma série de comerciais para os cheques de viagem American Express.

Mercedes Sosa - Como la cigarra



E lá se foi junho.

Acho que virei errado em Albuquerque. De volta à prancheta de desenhos.