quarta-feira, 3 de junho de 2009

Pornô esquimó

Atravessei a faixa de pedestres, olhei para a fileira de carros e, finalmente, consegui encontrar um táxi, escondido atrás de um caminhão. Olhei para o sinal - quase abrindo - e de volta para o veículo, mas não consegui ver se já tinha passageiro.

Fiz sinal com a mão assim mesmo e percebi uma figura lá dentro gesticulando para me chamar e abrindo a porta - ao mesmo tempo que o sinal fazia o mesmo. O caminhão se foi, a outra fileira se foi e o veículo ainda estava lá, retendo a sua fila, com a porta escancarada pra mim. Com alguns passos rápidos, cheguei até ele e entrei, já fechando imediatamente, porque as buzinas já exerciam seu ofício.

- Vamos embora daqui antes que linchem a gente! - Disse, rindo, o motorista, enquanto arrancava. - Pra onde?

Passei as instruções e, para minha estranheza, o papo começou.

Preciso, antes de mais nada, esclarecer que os taxistas desta cidade têm estado muito calados de vários meses para cá. Não falam sobre futebol, política, música, TV... Enfim, sobre nada que se espera vir de um deles. Salvo raros e pontuais momentos, estão para pouco papo - alguns até sisudos e ensimesmados. Então, estranho foi ele puxar papo, não o contrário.

- Foi o vidro escuro, né? Por isso você não conseguiu ver o interior.
- Sim. Dependendo do ângulo do sol, é difícil mesmo.
- Pois é, rapaz. Eu tava pensando em tirar, mas, sei lá. Tem gente que reclama, tem gente que prefere. Sabe como é: tem gente que pega táxi pra trair mulher e não quer ser visto. Dia desses um casal entrou e já foi mandando subir os vidros. - Fez uma imitação debochada de voz feminina. - "Sobe o vidro aí, moço!" - Dei uma risada e achei que terminaria aí, mas ele logo emendou, num fôlego só. - Tem gente que não sabe mesmo o que quer. Uma hora é pra ligar o ar, outra hora é pra desligar.
- Dependendo do dia é assim mesmo. - Tentei argumentar.
- Mas é a mesma pessoa! Um minuto depois! Por isso eu não mexo mais no ar! Não mexo! A mulher pediu de novo e respondi "Não vou mexer em porra nenhuma, não..." - E veio a voz fina e debochada novamente. - "É o que que você disse aí, moço?" Claro que eu não falei isso alto, né? "Nada não, senhora. Tô falando sozinho aqui, pensando." - Até abri a boca para falar qualquer coisa, mas ele seguiu. - Dia desses foi um casal. O cara disse "entra à esquerda" e a mulher "entra à direita". E ficou essa de esquerda, direita, direita, esquerda. Nada deles se decidirem. Aí falei logo: "Porra, decide logo aí que a rua tá chegando!" Povo indeciso...

Não respondi. A essa altura eu já não queria mais desenvolver a conversa. "Ih, esse é um daqueles chatos que odeia a tudo e a todos porque escolheu uma profissão que não gosta.", pensei.

Alguns segundos depois, no próximo sinal fechado, ele parou o carro e juntou as mãos entre os joelhos, num claro sinal de estar sentido frio. Deve ter sido suficiente para lhe ocorrer um outro assunto para puxar comigo:

- Porra, não sei de onde esse pessoal tira a idéia de que fazer sexo no frio é bom! - Fazia aquelas expressões de quem não consegue achar uma explicação satisfatória e abriu as mãos à sua frente com as palmas viradas, antes de retomar o volante.
- Esquenta, né? - Tentei, mais uma vez, argumentar. Ô hábito!
- Sim, mas, porra, que frio do caramba! Tá tudo encolhido. E depois vai tomar um banho, a água tá gelada. Ah, na boa... É ruim demais. No calor é melhor. No frio não tem como.
- Cara, e os esquimós? Até hoje eles dão seu jeito lá.

De todas as respostas possíveis no mundo, tinha que me ocorrer justo essa?! Juro que não sei de onde tirei essa, mas agora era tarde. O cara me olhou espantado, como se tivesse feito uma grande revelação científica. E como todo conhecimento científico sempre gera ainda mais perguntas, ele começou a devanear em voz alta - ficou claro que não eram para mim as questões, mas para ele mesmo.

- Taí! Como é que os esquimós fazem? Porra! Os caras moram no gelo. Tem gelo pra todo lado. A casa deles é de gelo. Como eles fazem? Não é possível... Deve ter um furo na roupa, sei lá. Em cima do gelo é que não é. Pelo menos eu acho. Não dá, não tem como.
- Ah, cara, nessas horas cada um dá seu jeito. - Intervi. - Seja esquimó, africano ou indígena. Por isso tem gente em tudo quanto é canto do mundo.
- Tem razão. Mas ia ser interessante saber isso. Saber como fazem...

E foi aí que ele teve a idéia.

- Ah, já sei! Imagina só: filme pornô esquimó! - Não contive o riso. - Chega uma equipe lá no meio do nada com as máquinas prontas pra filmar e dizem pros carinhas: "Viemos gravar um filme pornô pra saber como vocês fazem." Imagina só a cara dos figuras!

Como diz um amigo meu: "nessas horas, não faça filminho". Isto é, não imagine a cena. Mas já era tarde. Pornô esquimó foi demais para mim. Felizmente, havíamos chegado ao destino naquele mesmo instante. Paguei a corrida e o deixei com suas divagações a respeito do tema, enquanto ele saía com seu táxi. Enquanto a mim, fui rindo pela calçada, pela recepção do prédio, pelo elevador, pelo corredor e só consegui parar quando cheguei à porta do escritório.

Só parei porque outro filminho passou pela minha cabeça: como explicar para os que estavam lá dentro que o motivo do meu riso era um pornô esquimó?

14 comentários :

Raquel disse...

HAHAHAHAH

Faço minhas: "como explicar que o motivo do riso é um pornô esquimó?".

Melhor post do século. Estrogonoficamente excelso!

Khristofferson Silveira disse...

Obrigado pelo comentário e por ser assim... Hélpis com os consertos. Hahah

Raquel disse...

Imagina. Coloquei muitos pontos em "consertos" e fiquei sem nenhum em "sentimento artístico".

hahah

thiago kerzer disse...

Pense em um cara, famoso por ser roqueiro doido e falador de merda, que trabalha em um laboratório. Ele está lendo uma parada no computador. De repente, esse cara começa a rir. Poca de rir mesmo. rsrsrs
Todo mundo olha pro coitado e imagina:
- Isso foi muito pra cabecinha dele...

Khristofferson Silveira disse...

Fico feliz em ter contribuído para mais uma dessas reações dele. Hahahaha

Israel disse...

KKKKKKK

Mas sem a frase do "filminho" vc não conseguiria um post tão bom...

Fazer o q, tenho preguiça de escrever... Tenho q valorizar as pequenas coisas ! hahahaha

Por sinal, como vc usou a frase vai ter q pagar... Frase licenciada...

Israel disse...

Porra... Agora que fui pensar em colocar aquele pequeno "R" circulado após a frase... Mas além de já ter perdido o timing eu não sei como é q faz ! Já tentei alt + infinitas combinações e nada ! Saco !

Israel disse...

Como essa porra não tem edit: Vulgarmente conhecido como "Registered"...

Khristofferson Silveira disse...

Usa o mapa de caracteres, ué. Burro bagarai...

/battery

Israel disse...

Dãp ! (Homer Simpson... hehehe "D'oh" é o caramba)

Não pode mais usar o bagarai® e nem a frase "Nessas horas não faça filminho®".

Na verdade estou te banindo do Blog Vivendo em hipermídia®...

Eu não tenho a senha, vc pode excluir o seu perfil pro favor ?

hahahahaha

Khristofferson Silveira disse...

Só se você trocar o nome antes. Israel® é uma propriedade de Jeová Inc.®

Israel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Israel disse...

FUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUCK


Kkkkkkkkkkk

Bira disse...

hahaha

Esses filminhos que agente relembra no busão..

uashuashasuhasuhaushasuhasuash

pior eh quando vc tah em pé, que todo mundo tah te vendo..