quinta-feira, 21 de agosto de 2008

CEP não atendido?! WTF?!

Existem certas barreiras à boa navegação em sites que, por mais que a gente pare pra tentar arranjar uma desculpa, não dá pra entender como o sujeito responsável por aquilo conseguiu criar dificuldades para o usuário.

Estava eu aqui com muita fome, quando resolvo entar no site de um desses serviços de delivery pra pedir um lanche. Pra entender a situação, basta ter em mente que são raros os casos em que a pessoa que entra no site com esse objetivo já não esteja com muita fome. Não conheço ninguém que planeja pedir um sanduíche ou uma pizza neste instante porque sabe que daqui a meia-hora estará com fome.

Como nunca havia pedido no trabalho, preciso cadastrar um novo endereço. O sistema pede o meu CEP para saber se estou na área de cobertura. "Mera formalidade." - penso sozinho - "A lanchonete fica nessa mesma rua, só que mais lá pra baixo..."

Ledo engano. Informo o CEP e sou açoitado com a informação de que não estou na área atendida pelo serviço de entrega. Mas, caspita!, se a lanchonete é nessa mesma rua, há uns 800m, como posso ser excluído? Várias tentativas depois, apelei pro método arcaico: liguei pro "call center".

Me vem aquela voz com o rosário numérico: "Aperte 1 pra isso", "2 pr'aquilo" e "5 para fazer o pedido". O cinco devia ser o equivalente aos cinco segundos de silêncio total no fone. "Será que caiu?", penso antes de receber as boas vindas do atendente do call center.

Depois de perguntar o meu nome com uma jovialidade invejável a qualquer colega de profissão - o que deve fazer dele o orgulho do chefe -, qual é a primeira coisa no roteiro do treinamento dele que deve me perguntar? Isso mesmo: meu CEP, "para saber se meu endereço é atendido."

Número fornecido, ele começa a falar com aquele mesmo tom de felicidade, que vai sumindo aos poucos, quando o sistema dele repete a informação que obtive no site. Quando argumento que estou na mesma rua que a loja ele resolve fazer uma consulta por logradouro - que não está disponível on-line sabe-se lá porque razão - e muda o discurso: ao que parece, agora o meu endereço é sim atendido por eles.

Mas se o CEP, o cerne do problema, não era aceito - e eu tenho certeza de que forneci o número correto -, porque raios o logradouro era? O problema é que o número que forneci é terminado em 012 - que identifica o lado par da rua - e o sistema deles só aceitava o final 011 - que é o do lado ímpar.

Agora pare e imagine as conseqüências desse tipo de - eufemizemos... - "deslize".

Sim! A equipe responsável pelo site de delivery lá da rede de lanchonetes excluiu todo o lado par da principal avenida da cidade do sistema! E não adianta colocar a culpa no estagiário, porque essa não cola mais!

Depois de ver um post no blog do Caparica e ficar tentando lembrar de uma história de TI pra contar, acabei vendo - com um pouco de pilha dele - que essa foi praticamente feita sob encomenda para postar um enorme WTF?! Essa merece uma carimbada.

Ah! E não adianta que eu não vou dizer qual foi o restaurante. Agora, tchau! Vou comer minhas esfihas...

Nenhum comentário :