sábado, 8 de dezembro de 2007

Recificibilidade - O encerramento da semana

Após a parte inicial do treinamento, a de webstandards, teve início na quarta-feira à tarde a segunda parte, sobre acessibilidade, ministrada pelo MAQ, em que ele apresentou aos alunos a realidade vivida por pessoas com deficiência no uso do computador e começou a discorrer sobre as práticas para melhorar a acessibilidade dos websites não só para os deficientes visuais, mas para todos os usuários que venham a acessar a página.

Na minha opinião, a grande sacada do curso está em colocar os alunos em uma situação com a qual não estão acostumados: utilizar o computador e navegar na internet sem mouses e com monitores desligados, auxiliados por um leitor de telas.

Com esta prática eles podem sentir na pele as dificuldades vividas por pessoas cegas ao tentarem acessar determinados websites, enquanto descobrem de que maneiras essas barreiras podem ser minimizadas com o uso dos webstandards e ao guardar atenção às boas práticas de acessibilidade.

O treinamento proseguiu na quinta-feira, com uma participação bacana do Gustavo, um desenvolvedor deficiente visual que veio falar um pouco sobre um leitor de tela chamado NVDA que tem algumas características bastantes interessantes, como o fato de ser gratuito, aberto, com uma comunidade ativa e o diferencial de ser portável. Isso mesmo: um leitor de telas portável!

Segundo ele, você poderia carregar o executável em um memory stick e usar o NVDA em qualquer computador, sem a necessidade de encarar aqueles terríveis processos de instalação. Fantástico!

Acredito que se a comunidade de desenvolvimento se manter forte e ativa como ele nos disse que está, esse leitor pode ser uma alternativa aos programas pagos, que são um tanto onerosos tanto para indivíduos quanto para empresas.

Ainda nesse mesmo dia, tivemos a oportunidade de nos reunir com alguns participantes da lista de discussão UX Recife, da qual participo, e reencontrar pessoas que conheci no IHC 2006, em Natal, bem como conhecer pessoalmente algumas que só conhecia textualmente. Apareceram por lá: Fávio, Maíra, Saulo, Caparica, Taciana, Viviane e Rodrigo (Alemão), além de três alunos do curso: Christiane, David e Juliano.

A conversa fluiu bem, passando pelos temas do curso, até a situação do campo de UX na capital pernambucana. Como ninguém é de ferro, esticamos o papo até um boteco e, aí sim, a conversa alcançou outros campos, como a história do "olho dominante" - que explico em outra ocasião - e até mesmo um inesperado duelo de piadas.

Sexta-feira foi o último dia de treinamento e encerramos os trabalhos colhendo um bom retorno dos alunos, com um sentimento de sucesso e com a certeza de que fizemos ali não apenas novos contatos profissionais, mas novos amigos que espero rever em outras oportunidades.

No mais, só tenho a dizer que embora não tenha conhecido os pontos turísticos de Recife, conheci a hospitalidade do povo local que se refletiu em todos os momentos: da chegada no aeroporto, à minha vinda para João Pessoa - de onde escrevo esse texto.

Aos novos amigos, um grande abraço. Ao time da Acesso Digital, meu muito obrigado pela oportunidade.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Recificibilidade - O início da semana

Após a viagem de avião - que se tornou divertidíssima com a ajuda de um livro do Mário Prata que comprei no aeroporto -, chegamos em Recife no domingo de manhã com ganho de uma hora, já que Pernambuco não adotou o horário de verão.

Fomos recebidos pelo Manoel, coordenador do curso, e sua esposa, que nos encaminharam até o hotel, de onde nós, como bons turistas em um dia de domingo em Boa Viagem, esticamos para a praia, em busca de um quiosque à beira-mar para sentar, comer e apreciar a vista.

Uma hora de caminhada - e muitos, muitos metros - depois, descobrimos que esse tipo de quiosque não existe em Boa Viagem, e que deveríamos mesmo é ter almoçado no restaurante ao lado do hotel, o que rendeu boas risadas.

À noite nos encontramos com o Caparica, camarada virtual já há bastante tempo, que durante nosso papo tentou fazer o Horácio compreender toda a sutileza e finésse artística underground dos filmes B e de como um filme de terror involuntariamente se converte em uma comédia sensacional. Com certeza, mais algumas ótimas risadas.

Mas como viemos aqui pra trabalhar, segunda-feira teve início o treinamento em padrões web e acessibilidade, que conta com um corpo de alunos bastante heterogêneo, de diferentes idades, instituições, setores e experiências profissionais.

Quebrado o gelo inicial, a turma logo se entrosou e as risadas volta e meia surgem para espantar o cansaço previsível de dez horas diárias de curso e para fornecer uma injeção de ânimo.

O local onde está sendo realizado fica no Recife Antigo, próximo ao Marco Zero da cidade, e tem uma vista excelente - inclusive para a famosa ponte da história do Boi Voador de Maurício de Nassau. Infelizmente nenhum pousou na janela durante esses dias em que estamos aqui ;)

sábado, 1 de dezembro de 2007

Recifibilidade - Prólogo

Estou no Rio de Janeiro, aguardando o vôo de amanhã cedo para Recife, onde vou colaborar com o pessoal da Acesso Digital em um treinamento de webstandards e acessibilidade na web.

Hoje pude, finalmente, conhecer pessoalmente o MAQ. Quer dizer... Já o conhecia pessoalmente, da ocasião do lançamento do vídeo de acessibilidade produzido por eles, mas só agora pudemos conversar com calma.

Tietagens à parte, posso dizer que passar algumas horas estudando JAWS com ele e com o Horácio foi um ótimo pontapé inicial para essa viagem.

Amanhã, Recife - a Manguetown!

(Antes que alguém fale, já admito que o título foi uma das idéias mais patifes que já tive, mas tá valendo :)