terça-feira, 10 de abril de 2007

Acessibilidade é bom e todo mundo gosta

Hoje tive mais uma daquelas lições de porque, como profissional de web, a acessibilidade deve ser uma das preocupação nos meus projetos.

E essa lição foi bem longe de um computador, em um ônibus que peguei voltando de uma reunião.

A situação se deu no momento em que as portas de trás do veículo se abriram e eu subi no primeiro degrau e me deparei com uma nova catraca, fruto da idéia de algum gênio, que resolveu aumentar a sua altura para ocupar quase todo o vão destinado a ela - provavelmente para evitar que alguns passageiros pulassem, ou que os pais levantassem as crianças para passá-las para o outro lado como já vi várias vezes.

Com essa nova parte superior, não há condições de uma pessoa do meu tamanho passar por aquilo, fato notado pelo cobrador que me sugeriu entrar pela porta da frente.

Então, lá vai: desce do ônibus, anda até a frente, sobe no ônibus, anda até o cobrador no fundo para pagar e volta pra frente para achar um lugar.

Como usuário do sistema de transporte público, me senti frustrado com essa "solução sofá", como diria um ex-professor e ex-empregador meu.

Agora, transfira essa situação para a interação humano-computador, e você terá o cenário de muitos sites que obstruem o acesso de seus visitantes por decisões de projeto mal pensadas e sem foco no objetivo de qualquer site, que é permitir acesso ao conteúdo por parte de qualquer visitante. Assim como o acesso ao ônibus da maneira usual, por parte de qualquer cidadão, também deveria ser o foco da empresa de ônibus.

A mesma frustração que eu tive ao tentar usar o transporte público de forma simples e de não consegui-lo é igual à dos vários tipos de usuários que tentam fazer o mesmo com os sites e também não conseguem.

No fim das contas, o que se tira daí é que acessibilidade é bom e todo mundo gosta, seja ela online ou offline.

E pra quem não conhece a tal "solução sofá", ela tem esse nome porque a história é a de um sujeito que chega em casa e encontra a filha com o namorado no sofá da sala em um clima mais quente.

Qual seria a solução para acabar com isso? Simples: se desfaça do sofá.

3 comentários :

Horácio Pastor Soares disse...

Puts... Show de bola Khris,

Nada como sentir na pele para se colocar um pouco mais no lugar do usuário.

Abraços

Khristofferson Silveira disse...

De fato foi um "laboratório involuntário", por assim dizer, que valeu a pena.

henrique guedes disse...

E meu mano ,pior e quando tu vai no banco depois de uma fila de quase uma hora , eo cara do caixa falar (precisar recalcular isso la em cima)
e profissionais de web tem pouco velho para tratar dessa questao .
ainda bem que sãos os design que protejam isso nosso dia dentro e fora da web e alguns programadores

abraços
henrique