terça-feira, 17 de abril de 2007

Os Infiltrados

Cena do filme. À esquerda, Leonardo DiCaprio. À direita, Jack Nicholson.

Você já assistiu Os Infiltrados?

Eu só consegui ver nesse fim de semana e, acredite, se você não viu ainda, está perdendo um filme fantástico.

Olha só a escalação do professor Scorsese: Jack Nicholson, Matt Damon, Leonardo DiCaprio, Mark Wahlberg, Martin Sheen, Alec Baldwin e grande elenco (não resisti a esse lugar-comum, de tão engraçado que acho).

A trama é espetacular. As atuações também, com um Jack Nicholson cada vez mais genial e um DiCaprio que já sepultou a imagem do outro Jack há muito tempo.

Agora esperamos que a distribuidora lance uma edição bem bacana do DVD para venda e não repita desastres do ano passado, como V de Vingaça e O Senhor das Armas - dois excelentes filmes cujas edições não valiam o preço cobrado.

Não sei se a distribuidora é a mesma. Se for, é uma ótima chance de melhorar os serviços. Se não, é uma ótima também para aprender com os erros da concorrência.

Em todo caso, taí a dica.

segunda-feira, 16 de abril de 2007

Blogar tem dessas coisas

Eu ia postar aqui um vídeo que vi no blog do Daniel Xavier, no qual cheguei através do Brainstorm #9, mas estava vendo meus feeds e descobri que o Mauro Amaral já havia postado, seguindo a dica do Cris Dias, que viu no Fábio Yabu.

Agora não quero mais brincar :P

quinta-feira, 12 de abril de 2007

Joost? Eu também quero!

Estamos todos afim de um convite do Joost, um programa que utiliza P2P para compartilhar o trabalho de processamento dos vídeos. A idéia saiu da cabeça dos criadores do Kazaa.

O Rafael Dourado, do Netlus, está fazendo uma promoção relâmpago cujos prêmios são 3 convites para a brincadeira. Será que ganho? ;)

terça-feira, 10 de abril de 2007

Acessibilidade é bom e todo mundo gosta

Hoje tive mais uma daquelas lições de porque, como profissional de web, a acessibilidade deve ser uma das preocupação nos meus projetos.

E essa lição foi bem longe de um computador, em um ônibus que peguei voltando de uma reunião.

A situação se deu no momento em que as portas de trás do veículo se abriram e eu subi no primeiro degrau e me deparei com uma nova catraca, fruto da idéia de algum gênio, que resolveu aumentar a sua altura para ocupar quase todo o vão destinado a ela - provavelmente para evitar que alguns passageiros pulassem, ou que os pais levantassem as crianças para passá-las para o outro lado como já vi várias vezes.

Com essa nova parte superior, não há condições de uma pessoa do meu tamanho passar por aquilo, fato notado pelo cobrador que me sugeriu entrar pela porta da frente.

Então, lá vai: desce do ônibus, anda até a frente, sobe no ônibus, anda até o cobrador no fundo para pagar e volta pra frente para achar um lugar.

Como usuário do sistema de transporte público, me senti frustrado com essa "solução sofá", como diria um ex-professor e ex-empregador meu.

Agora, transfira essa situação para a interação humano-computador, e você terá o cenário de muitos sites que obstruem o acesso de seus visitantes por decisões de projeto mal pensadas e sem foco no objetivo de qualquer site, que é permitir acesso ao conteúdo por parte de qualquer visitante. Assim como o acesso ao ônibus da maneira usual, por parte de qualquer cidadão, também deveria ser o foco da empresa de ônibus.

A mesma frustração que eu tive ao tentar usar o transporte público de forma simples e de não consegui-lo é igual à dos vários tipos de usuários que tentam fazer o mesmo com os sites e também não conseguem.

No fim das contas, o que se tira daí é que acessibilidade é bom e todo mundo gosta, seja ela online ou offline.

E pra quem não conhece a tal "solução sofá", ela tem esse nome porque a história é a de um sujeito que chega em casa e encontra a filha com o namorado no sofá da sala em um clima mais quente.

Qual seria a solução para acabar com isso? Simples: se desfaça do sofá.