quarta-feira, 11 de outubro de 2006

Não entendo terrorismo, falávamos de amizade

Renato RussoEu sou um fã da Legião Urbana que só conheceu a banda após a morte de Renato Russo. Mesmo assim, ela teve uma grande importância para mim.

Embora não seja a que mais ouço no dia-a-dia, ela é, sem dúvida alguma, uma das bandas cujas letras mais me impressionam pelo conteúdo e pelas mensagens, que me foram muito relevantes durante a adolescência - e ainda o são.

Hoje completam-se 10 anos da morte de Renato Russo e não poderia deixar de prestar-lhe uma singela homenagem.

Fui buscar nas letras da banda algumas passagens que poderiam retratar aquilo que o próprio Renato poderia estar pensando a respeito da realidade pós-11/9 em que vivemos, caso ainda estivesse vivo.

São trechos que refletem uma pessoa que nunca deixou de ter esperança.


Não entendo terrorismo, falávamos de amizade
- "Sereníssima"

Porque esperar se podemos começar tudo de novo
Agora mesmo
A humanidade é desumana
Mas ainda temos chance
O sol nasce pra todos
Só não sabe quem não quer.
- "Quando o sol bater na janela do teu quarto"

Não vou deixar me embrutecer
Eu acredito nos meus ideais
Podem até maltratar meu coração
Que meu espírito ninguém vai conseguir quebrar.
- "Um dia perfeito"

Se o mundo é mesmo parecido com o que vejo
prefiro acreditar no mundo do meu jeito
- "Eu era um lobisomem juvenil"


Será que alguém se lembra de mais alguma parte que poderia se encaixar nessa realidade que citei?

Um comentário :

César disse...

"E ouvia às sete horas o noticiário
Que sempre dizia que o seu ministro ia ajudar"

às vezes dá vontade de pegar a Winchester 22 e meter bala nesses ministros.

um minuto de silêncio em homenagem ao grande poeta.