segunda-feira, 4 de setembro de 2006

O coronel da comunicação

Há alguns dias falei dos blogs de Zé Dirceu e Bob Jeff, ontem falei sobre o autoritarismo do Sarney, mostrando que o coronelismo não morreu, e hoje - aproveitando a data de seu aniversário - publico um vídeo do Senador Antônio Carlos Magalhães, do PFL-BA, conclamando os comandantes das Forças Armadas para reagir contra "uma ditadura sindical". Seria saudade dos tempos de ARENA?



Eu havia falado de currais eletrônicos anteriormente. O que alguns talvez não saibam é que esse é um dos mais entendidos no assunto.

Quando foi ministro das comunicações em 1986, governo Sarney, as concessões viraram moeda na troca por apoio. Isso fez com que vários políticos se tornassem donos de meios de comunicação e pudessem formar os seus currais. Ele, inclusive, com a Rede Bahia.

Aliás, falando em ministro das comunicações, o Hélio Costa anda fazendo um belo trabalho lá, hein? É o ex-funcionário mais querido da Globo.


Para encerrar, só uma nota: Quando comecei esse blog a intenção não era falar de política, mas isso se torna inevitável quando vemos o quadro político se misturando dessa forma com os meios de comunicação, principalmente a internet.

domingo, 3 de setembro de 2006

Blogs desafiam censura e coronelismo

Durante o meu mandato a história se contorceu, mas a democracia não murchou na minha mão.


Com essas palavras o ex-presidente da República e atual senador pelo PMDB do Amapá, José Sarney, definiu sua atuação no cargo máximo do poder Executivo do país, quando do aniversário de vinte anos de sua posse, em março de 2005.

Nem dois anos se passaram e a realidade já se mostra muito diferente das palavras.

Candidato à reeleição, Sarney está mostrando que o coronelismo ainda vive, não admitindo críticas e promovendo a censura dos meios de comunicação do Amapá que divulguem material que ele não julgue adequado, como essa charge, fotografada em um muro de Macapá:

Xô, Sarney!
Sua publicação no blog da jornalista Alcinéa Cavalcante foi motivo suficiente para que entrasse com nove representações contra ela na Justiça, que ordenou a retirada dos posts e dos comentários dos visitantes.

O que ele fez foi levar aquela mesma democracia da qual falou a se contorcer de agonia enquanto a liberdade de expressão murcha, abafada por atos de censura dignos do mais vil coronelismo.

Mas pelo que veio a seguir ele não esperava: blogueiros e jornalistas de todo o país, inconformados com essa demonstração de desrespeito à liberdade de expressão, reproduziram a charge, desafiando o jurássico político. Segundo informações publicadas na Folha Online, em 29/08 eram ao menos oitenta blogs. Mas, de acordo com o Blog do Tas, em 02/09, já passam de cento e cinqüenta.

A situação é de uma importância tão grande que já ganhou abrangência internacional, com notícias publicadas em sites como o Global Voices.

Para evitar novos desmandos a jornalista agora mantém seu blog hospedado fora do território nacional.

Eu sou fiscal do Sarney
Do jeito que a situação está se desenrolando, o senador que se cuide, pois os Fiscais do Sarney parece que estão mais ativos do que antes. Só que dessa vez para fiscalizar suas ações e denunciar para o mundo.

Como disse antes, a internet dá asas ao gado para voar por cima das cercas de currais eleitorais.



Em tempo: Sarney é membro da Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira de número 38, cujo patrono é o escritor Tobias Barreto.

No site Direito | Poesia encontra-se um texto bastante interessante sobre ele, do qual destaco o seguinte:

Tobias foi, antes de tudo, um escritor de jornais, um colaborador freqüente, ágil, que sabia da velocidade da imprensa como vanguarda das novidades transformadoras.